Ambiente de desenvolvimento do Laravel com Vagrant

vagrant_laravel-1_abertura

Esta é uma configuração do Vagrant que preparei para automatizar a criação de um ambiente de desenvolvimento do Laravel em uma máquina virtual rodando a versão 17.10 do Ubuntu (esta versão só tem em 64 bit), com PHP 7.1 e os demais arquivos necessários para o framework já instaladas.

E já que as dependências não estavam assim tão óbvias resolvi disponibilizá-lo junto com os demais arquivos.

Continuar lendo

Anúncios

Teletransporte no VirtualBox

teleport_1-VirtualBox

Seguindo com a promessa de apresentar os recursos que a interface gráfica do VirtualBox finge não existir* que é o live migration, ou teletransporte, de máquinas virtuais. E no caso específico dele está presente desde a versão 3.1.0 que data do segundo semestre de 2009.

Aj, já que precisava apagar algumas máquinas virtuais que estavam no MacBook, aproveitei para brigar com o Grab e capturar as telas diretamente nele. 🙂

Continuar lendo

VirtualBox na linha de comando

virtualbox_maxosx

Para quem (ainda) não conhece o (Oracle VM) Virtualbox é um hipervisor para arquitetura x86 (32-bit e 64-bit) que permite criação e a execução de máquinas virtuais com diversos sistemas operacionais. Ele tanto é  usado como uma uma aplicação desktop  comum ou integrado em outras ferramentas como o Boot2Docker e Vagrant.

Foi originalmente desenvolvido pela alemã Innotek GmbH, que foi adquirida em 2008 pela Sun Microsystems e esta, comprada pela Oracle Corporation em 2010 — ou seja, um destino muito parecido com o que teve o MySQL e outros projetos.

Continuar lendo

Máquina virtual em Perl

perl_vm

Após ler a postagem do Felix Angel sobre sua implementação de uma máquina virtual em C (em C normal, sem nenhum prefixo ou sufixo) resolvi exercitar o pouco que sei da linguagem traduzindo o código apresentado em Perl. E foi uma tradução quase que linha a linha já que sintaticamente Perl até se parece com C. Diferença, mesmo, ficou na ausência do switch … case* e na forma como as variáveis são declaradas, mas vale a curiosidade.

O código está disponível no GitHub pra quem quiser brincar, implementar os recursos que o autor original sugeriu no texto dele, implementar outras instruções ou converter para alguma outra linguagem.

(*) No Perl 6 a estrutura foi implementada e há um módulo chamado Switch que corrige este problema no Perl 5, logo não havia motivo para cascatear if mas fiz assim mesmo.