Instalação do WordPress com Vagrant

wordpress-1_abertura

Esta é uma configuração do Vagrant que preparei para automatizar a instalação do WordPress em uma máquina virtual rodando a versão 17.10 do Ubuntu, com as versões 2.4 do Apache HTTP Server, 7.1 do PHP, 10.1 do MariaDB, a última versão estável¹ do WordPress e outras dependências.

Na verdade não há mistério na instalação de todo este ecossistema, o problema está nos “pequenos detalhes” que podem te fazer perder algum tempo caso sejam esquecidos — e o serão quando se tem alguma pressa! 🙂

(¹) Por enquanto a versão é a 4.9.

Continuar lendo

Anúncios

Utilizando o Ansible – parte 5

ansible-5_abertura

Na quarta parte os playbooks receberam alguma inteligência com a utilização dos handlers para executar determinadas tarefas apenas em caso de necessidade. Agora é a vez de aumentar um pouco mais esta inteligência dos playbooks com a execução condicionada de tarefas!

Continuar lendo

Utilizando o Ansible – parte 4

ansible-4_abertura

Na (agora distante) terceira parte foi introduzido o conceito do playbook. Com eles é possível agrupar diversas tarefas — um módulo e seus parâmetros — em um único arquivo YAML para serem todos executados em um ou mais nós.

Agora é a vez de usar um tipo especial de tarefa, os handlers, para adicionar uma certa inteligência ao playbooks e assim evitar a execução de certas ações de forma desnecessária ou repetida.

Continuar lendo

Ambiente de desenvolvimento do Laravel com Vagrant

vagrant_laravel-1_abertura

Esta é uma configuração do Vagrant que preparei para automatizar a criação de um ambiente de desenvolvimento do Laravel em uma máquina virtual rodando a versão 17.10 do Ubuntu (esta versão só tem em 64 bit), com PHP 7.1 e os demais arquivos necessários para o framework já instaladas.

E já que as dependências não estavam assim tão óbvias resolvi disponibilizá-lo junto com os demais arquivos.

Continuar lendo

Utilizando o Ansible – parte 3

ansible-3_abertura.png

Na parte anterior foram utilizados alguns módulos para realizar tarefas diretamente através do Ansible via linha de comando, porém a execução em sequência de cada um é pouco prática, por mais que até seja possível agrupar todos eles dentro de um único script para ajudar um pouco!

Mas antes de começar a “adaptar” a ferramenta é bom saber que o Ansible tem sua própria maneira de executar diversas tarefas de uma só vez, os playbooks.

Continuar lendo