O cartão de 80 colunas da DDX – parte 1

ddx80-1_abertura

Ganhei de um amigo uma interface DDX80, o “cartão” de 80 colunas lançado pela Digital Design Eletrônica para computadores MSX em 1988 mas ao pesquisar um pouco sobre ela na Internet me dei conta de que não havia muita informação disponível tanto sobre ela como também sobre a VMX-80, esta lançada pela Microsol em 1987 e que serviu de “inspiração” para a interface da DDX.

Então, além de escrever um pouco a respeito do que aprendi sobre a DDX80, resolvi também comprar uma VMX-80 para também poder compará-las! 🙂

Continuar lendo

Anúncios

Porting ‘aclock’ for MSX-DOS

aclock-1_abertura

Aclock is a program that turns your mainframe, workstation, microcomputer or another kind of old and expensive equipment in an ASCII wall clock. Its binaries were executed in near of 250 computer systems and now is time to add MSX to this group.

This version has based on CP/M Plus release for ZX Spectrum +3 and has compiled using SDCC with a little help of Avelino Herrera’s MSX-DOS backend. It works on any MSX2, MSX2+ or MSX turbo R running MSX-DOS operating system. And, of course that it doesn’t work on MSX1 models due the lack of real time clock circuit.

By the way, this is a short version in (bad) English from my original post in Portuguese.

Continuar lendo

Portando o ‘aclock’ para MSX-DOS

aclock-1_abertura

O aclock é um programa cuja função é a de transformar um outrora caríssimo mainframe, estação de trabalho ou microcomputador em um relógio de parede! Ele já foi compilado e executado em cerca de 250 plataformas diferentes de computadores e agora é o momento de acrescentar o MSX neste grupo. 🙂

Esta versão foi baseada no código original de CP/M Plus para o ZX Spectrum +3 e é compilada no Small Device C Compiler — com uma ajuda do back-end para MSX-DOS desenvolvido pelo Avelino Herrera — e pode ser executada em computadores MSX2, MSX2+, MSX turbo R rodando qualquer versão do MSX-DOS.

Óbvio que ele não funcionará em computadores MSX1 ou modelos convertidos para MSX2 ou MSX2+ que não possuam o circuito de relógio.
Continuar lendo

Desenvolvimento cruzado no MC-1000

mc1000_abertura

Meu primeiro computador¹ foi um MC-1000, um equipamento curioso e de existência efêmera lançado pela CCE na primeira metade de 1985 e descontinuado cerca de 12 meses depois. Aliás meu modelo, comprado no final de 1986, foi justamente adquirido em uma queima de estoque pois era acompanhado de 26 fitas cassete contendo jogos, pequenos aplicativos, curso de BASIC e 50 programas de exemplo.

(¹) Pois é, o MSX foi meu segundo computador, mais precisamente um HB-8000 v1.2 (o tal do “HOTBIT preto”) que ganhei na semana santa de 1988.

Continuar lendo

Telas do speccy no MSX – parte 3

tbzscmcb-3_abertura

Depois do hiato da semana passada segue continuação da série sobre a construção de um visualizador de telas do ZX Spectrum para MSX-DOS. Só para recordar a primeira parte tratou da organização da memória de vídeo do speccy, das diferenças dela com a do MSX e de como compensar as tonalidade das cores. Na segunda parte foi sobre como reorganizar os dados do arquivo SCR para apresentá-los na VRAM do MSX e, claro, como fazer a carga dele usando diretamente as rotinas da BDOS.

Há também uma parte complementar com um pequeno programa em Python que converte telas do ZX para dumps da VRAM em arquivos binários do MSX.

Nesta parte, conforme foi prometido, é a recuperação e tratamento dos argumentos passados pela linha de comando do MSX-DOS e como o assunto é meio chato tentarei ser breve — eu juro 😀

Continuar lendo

Telas do speccy no MSX – parte 2

tbzscmcb-2_abertura

Na parte anterior cuidou das diferenças no vídeo entre os dois computadores, ou seja, o modo como são dispostos os padrões e atributos que compõe a imagem na tela, assim como os tipos de atributos disponíveis, as cores geradas pelos respectivos circuitos de vídeo e também o “truque” usado para simular a relação de luminância das cores do ZX Spectrum no MSX.

Agora é a vez do arquivo que armazena a tela de vídeo do speccy, um programa para visualizá-lo em MSX-BASIC e, o mais importante de todos, uma rotina em assembly para carregar arquivos do disco para a memória.

Continuar lendo