Modificando commits do Git

amend-1_abertura.png

Na parte 6 do “Usando o Git”, recorri ao git rebase (em modo interativo) para faz a alateração da mensagem de um commit pré existente. Porém esta tanto não é a única funcionalidade do rebase¹ como ainda há um modo bem mais simples de fazê-lo.

E que não serve somente para alterar a mensagem, com o uso do parâmetro ‐‐amend (emenda) do git commit é possível adicionar, editar ou mesmo remover arquivos dentro de um commit já existente.

(¹) Relembrando que o rebase permite coisas como descartar ou mesclar commits.

Continuar lendo

Anúncios

Usando o Git – parte 6

git-6_abertura

A parte anterior consistiu basicamente em um navegar pelo histórico dos commits com recolocando a HEAD em outros posições e até mesmo destacando-a da linha do tempo para testar modificações sem necessariamente precisar armazená-las. Para esta parte, o uso do stash para armazenar temporariamente arquivos de trabalho e um exemplo do uso do rebase para modificar um commit já existente — neste caso alterar a mensagem deste.

Continuar lendo

Usando o Git – parte 5

git-5_commit-via-atom.png

A ideia era de apenas acrescentar algumas informações e servir de complemento à série sobre Git — publicada há pouco mais de um ano — mas acabei me empolgando um pouco e ao invés de dividir um complemento, o que seria estranho, preferi integrá-lo logo de uma vez como uma nova parte. Nesta, um pouco mais sobre o histórico, configuração, ramos — branches — e “cabeças decepadas” 🙂

Continuar lendo

Jenkins – parte 3

jenkins-1_abertura

Esta é a última parte desta série sobre o Jenkins e é também onde justamente tudo aquilo ensaiado na parte anterior será efetivamente colocada em prática com a criação de um job contendo várias etapas, com execução disparada por um outro e, para encerrar algo mais complexo que o Freestyle Project, a execução em pipeline.

Então é iniciar a máquina virtual com vagrant up para começar a usá-lo.

Continuar lendo

Jenkins – parte 2

jenkins-1_abertura

primeira parte consistiu basicamente em instalar e deixar o Jenkins minimamente configurado e, claro, funcionando. A parte de acesso a usuários permite usar diversos modos de autenticação (LDAP, usuários locais etc) enquanto os plugins consistem quase que em um universo a parte dentro do Jenkins.

Agora será a vez de efetivamente utilizá-lo para a criação de alguns build jobs, um primeiro para meramente testar o funcionamento da ferramenta e um outro cuidando de monitorar alterações no repositório do código fonte e se encarregar de compilá-lo.

Continuar lendo

Jenkins – parte 1

jenkins-1_abertura.png

O Jenkins é uma ferramenta em software livre para integração contínua, ou entrega contínua dependendo de como for utilizado. Isto é, ele automatiza as tarefas de monitoração de alterações no repositório do código fonte, compilação, execução das rotinas de teste, disponibilização de nova versão caso não encontre erros e, claro, documentação e registro de todas as etapas para acompanhamento.

Nesta primeira parte estão as etapas de instalação e da configuração inicial da ferramenta.

Continuar lendo