Usando o MongoDB – parte 3

mongodb-3_abertura

Esta é a continuação da segunda parte com a sequência das operações do CRUD dentro do MongoDB Shell e contemplando atualização e remoção de documentos dentro de coleções. E assim como foi feito com inserção e recuperação também incluirei, para comparação, os comandos análogos no SQLite3.
Continuar lendo

Anúncios

Usando o MongoDB – parte 2

mongo-2_abertura

A primeira parte teve uma rápida introdução sobre o que é o MongoDB e sua instalação (na máquina virtual), além de apresentado o MongoDB Shell junto com um exemplo daquilo que se pode fazer nele. Nesta parte a primeira metade do CRUD com a criação e recuperação de documentos.

E para ajudar a comparar, para cada operação no MongoDB uma execução análoga em banco de dados SQL — no caso o SQLite3.

Continuar lendo

Utilizando o Ansible – parte 4

ansible-4_abertura

Na (agora distante) terceira parte foi introduzido o conceito do playbook. Com eles é possível agrupar diversas tarefas — um módulo e seus parâmetros — em um único arquivo YAML para serem todos executados em um ou mais nós.

Agora é a vez de usar um tipo especial de tarefa, os handlers, para adicionar uma certa inteligência ao playbooks e assim evitar a execução de certas ações de forma desnecessária ou repetida.

Continuar lendo

Programando em BASIC com o Inliner

inliner-1_abertura

Por melhor que seja o editor¹ embutido em um interpretador BASIC ele não contará os recursos básicos de qualquer editor de textos moderno e aos quais já estamos habituados. E ao trabalhar diretamente no editor de textos predileto, ao invés de diretamente no computador/emulador, rapidamente se percebe o quão chata é a tarefa de cuidar manualmente da numeração das linhas.

Por estes e mais alguns motivos² comecei a pensar em como seria bom prático programar em MSX-BASIC, ou em qualquer outro dialeto BASIC, em qualquer editor de textos e sem a preocupação em numerar linhas pois haveria uma ferramenta que cuidaria desta parte. E já que ela ficaria com o trabalho, que algumas facilidades interessantes também estivessem includas.

E a assim surgiu o Inliner! 🙂

(¹) Dependendo do interpretador BASIC ele será um editor de tela, onde é fácil editar diversas linhas simultaneamente, ou simplesmente um editor de linha, onde você só consegue mexer em uma linha por vez em uma espécie de “modo de edição”.

(²) Um exemplo irritante, o comportamento irritante do OpenMSX quando se pressiona uma tecla acentuada e ele fica louco repetindo o caractere do acento ad infinitum:-/

Continuar lendo