Ubuntu 15.04

Ubuntu 15.10

Dia 24 de abril de 2015 foi disponibilizada a nova versão do Ubuntu Linux, a 15.04 ou Vivid Vervet*. Esta versão faz parte do cronograma de lançamentos semestrais da distribuição (abril e novembro) e terá tempo de vida — de suporte — de nove meses** aplicados aos Ubuntu Desktop, Ubuntu Server, Ubuntu Core, Kubuntu, Ubuntu Kylin (a versão chinesa) e demais sabores.

Como já faz quase um mês do seu lançamento e não encontrei muito assunto interessante a respeito, resolvi escrever alguma coisa.

(*) Em português ficaria algo como macaco verde vistoso — aliás, a primeira regra para os nomes de versão que o povo da Canonical inventa deveria ser: não se traduz o nome da versão!

(**) Para a versão com maior tempo de suporte continue usando a 14.04 LTS.

Ubuntu Desktop

O instalador continua o Ubiquity, portanto sem novidades (ou surpresas) e em cerca de 20 minutos você já tem o ambiente de trabalho pronto para ser utilizado. Aproveitei para condensar a instalação em um mosaico com, também, vinte telas (passos):

instalação do ubuntu desktop - vivid vervet

A versão Desktop incorpora atualizações no Chromium (versão 41), Firefox (versão 37), Gnome (3.14), LibreOffice (4.4), Qt (5.4), Pulseaudio (versão 6, permitindo a atualização do BlueZ para a versão 5 para breve) e atualização no número de ambientes suportados pelo Ubuntu Make.

O Ubuntu Make, que antes era chamado de “Ubuntu Developer Tools Center“, é uma ferramenta que auxilia na instalação e configuração de ambientes de desenvolvimento. Com ele é possível fazer a instalação do Eclipse ou o SDK do Android  com a utilização de um único comando — o que é algo muito prático!

A instalação dele é simples:

$ sudo apt-get update && sudo apt-get install ubuntu-make

Depois de instalado, digite umake -h e ele informará as categorias de ambientes disponíveis, digite umake <categoria> -h e serão listados os respectivos programas. Por exemplo, para instalar o PyCharm basta digitar:

$ umake ide pycharm

Ele fará o download dos programas e dependências, executará a instalação e quando terminar o PyCharm estará disponível e pronto para uso:

pycharm via ubuntu make - vivid vervet

E claro, não comentei mas as telas comprovam, que o ambiente padrão “ainda” é o Unity, para a alegria de uns e agonia de alguns. Porém Gnome (versão 3.14), Mate (versão 1.8 — aliás, pra quem nunca se deu conta, ou foi até o final da página do projeto, o ambiente se chama “má te” e não “mei te” o nome foi dado justamente em homenagem à erva mate!), XFCE (versão 4.12) e outros estão disponíveis.

Ubuntu Server

Assim como na versão Desktop o instalador é o mesmo das versões anteriores — no caso o Debian-Installer, sim o mesmo da Debian — está disponível apenas na versão em modo texto, e o mosaico de vinte e cinco telas (passos) resume o processo:

instalação do ubuntu server - vivid vervet

Na versão para servidores há novas versões do Ceph (0.94.1), cloud-init (0.7.70), docker (1.5.0), Juju (1.20.10), libvirt (1.2.12), LXC (1.1) , OpenStack (2015.1), Open vSwitch (2.3.1), qemu (2.2) e a inclusão do LXD (na versão 0.7). Foram ainda atualizados os pacotes relacionados ao HA (corosync 2.3.4, haproxy 1.5.0 e pacemaker 1.1.12). Você acha que a Canonical está rumando completamente para a computação nas nuvens? Calma que ainda falta contar uma coisa.

Com relação aos instaladores, as soluções existentes hoje (Ubiquity, Debian-Installer e também o Anaconda da Red Hat — esqueci de algum?) já se encontram suficientemente maduros para se pensar em mudanças radicais..

Ubuntu Core

A grande novidade da versão 15.04 é o Ubuntu Core (ou simplesmente Snappy). O Snappy está inicialmente voltado para a “Internet das coisas”, testes de software porém há rumores de que substituirá a dupla APT/DPKG. Está disponível em versões para processadores Intel (i386 e amd64) e ARM (duas plataformas Beaglebone e Raspberry Pi para ir direto ao ponto) e consiste em uma imagem mínima (Ubuntu Core) contendo as mesmas ferramentas e bibliotecas da versão corrente (no caso a 15.04) porém com um sistema diferente de instalação de programas com a substituição do pacote por um sistema transacional.

Ou seja, ao invés do tradicional pacote (um arquivo único contendo tudo aquilo que a aplicação precisa ou referenciando as dependências que precisarão ser instaladas) as instalações são feitas como uma transação (). Novos arquivos são copiados/substituídos e as modificações registradas; necessitando remover o programa, ou voltar à versão anterior basta verificar o que foi mexido e desfazer.

Há uma certa semelhança com o docker mas com grande diferença que ao invés de fazer alterações assim dentro de um contêiner isolado o snappy está mexendo diretamente no sistema operacional.

Depois falo com mais calma deste sujeito, o snappy ainda é uma “novidade” mas uma frase na página do projeto dá uma dica sobre os planos que eles tem para este sujeito:

“(…) we’re delighted to make it available on every Ubuntu certified cloud.”

Não disse que faltava contar uma coisa?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s